terça-feira, 14 de setembro de 2010

8 MUMIA (I) - Primeiros dias


Após uma agradabilíssima viagem de vinda pra Belo Horizonte (nada como viajar nas espaçosas poltronas da porta de emergência! :P) cheguei, e muito bem recebido pelo grande Sávio Leite. Embora já tenhamos nos conhecido antes só agora, aqui no clima do festival, que estamos podendo conversar com calma. Cheguei já há alguns dias e já pude curtir um bocado do festival, mas só agora conseguindo finalizar a postagem, finalmente, podendo colocar o registro no ar! :)

O Cine Humberto Mauro - que é o point do MUMIA - fica dentro do Palácio das Artes, e todo o ambiente é muito bacana, você respira arte por onde passa, e ainda mais no friozinho que está fazendo, juntando ainda às exibições, tudo acaba sendo uma experiência muito agradável.




Abaixo, registro da sessão dos realizadores mineiros, que aconteceu sábado, dia 11, mostrando filmes de animadores locais iniciantes e veteranos. A discussão foi muito bacana, e todos se mostraram muito receptivos e felizes com seus filmes presentes, estreando muito deles neste momento, vários por sinal a título de trabalho de conclusão de curso. Dos mais simples aos mais complexos, esses filmes dos novos realizadores mostram força e muita sede por realizar - uma nova safra mineira que com certeza vai conquistar o seu espaço no cenário nacional e mesmo fora dele.

Um ponto curiosíssimo que ocorreu foi algo que eu nunca esperaria testemunhar. Ao ver um dos filmes desta mostra, vejo um que usou clara e descaradamente o meu teste de animação do Círculo, meu curta em processo neste momento! O realizador do trabalho pegou o vídeo que está na net, recortou um pedaço e o incorporou ao seu trabalho. Fiquei sem ação quando vi, e logo que, após o debate, abriram para perguntas logo perguntei a ele a origem das imagens. O rapaz disse que pegou muitas da internet e tudo mais, de diversas origens, de filmes, curtas e tudo mais. Após isso, completou: "... e inclusive... eu usei um pedaço de um filme seu!...", ao qual respondi "Sim, eu percebi na hora, por isso perguntei!", ao qual todos na sala caíram na risada; foi de fato, um momento cômico. Conheço pessoas que teriam voado em cima do sujeito, mas mais do que outra coisa eu queria entender o seus motivos, enfim, entender a situação. O rapaz ainda argumentou que só pegou coisas que eram referência pra ele, de realizadores mais experientes e tal (ele acaba de terminar um curso de animação), e - nas palavras dele - "...mas... é isso aí cara... é a contemporaneidade!". Enfim, não custava ter me mandado um e-mail pedindo pra usar as imagens, e colocar ao fim do vídeo a menção da origem das imagens, mas, enfim... não quis criar caso, o rapaz está aprendendo ainda, certamente fez de forma ingênua, mas espero que pense melhor numa próxima vez.



No domingo e segunda seguiram-se ótimos momentos, tanto na Mostra quando fora dela. O meu curta Maria da Glória foi exibido algumas vezes na e teve uma recepção bem bacana. Tenho visto muitos filmes e conversado com muita gente. A fama do mineiro em ser receptivo, caloroso e acolhedor não é mentira - todos têm nos recebido com muita atenção, e estão felizes de a mostra ter trazido realizadores de outros estados. O prazer é nosso :D

Abaixo, a impressionante fachada do centro de Cultura de Belo Horizonte, onde acontecem algumas mostras do MUMIA, por sinal a de hoje, com os os nossos curtas (o meu, o do Marão e o do Fábio) e os fantásticos do russo radicalizado amaricano Alex Budovski.


E logo abaixo, um registro de um dos deliciosos momentos entre amigos, conversando sobre cinema de animação, sobre arte como um todo, contando alguns causos mineiros e muitas coisas mais. Esta parte pra mim está lado a lado com a oportunidade de assistir aos filmes, pois é nessas conversas despretensiosas onde conhecemos pessoas, onde fazemos amigos e as ideias mais bacanas surgem, tornando viagens como esta realmente inesquecíveis.


Até agora assisti apenas as sessões nacionais, mas logo mais - na terça - meu ofício de membro do júri internacional começa oficialmente, assistindo aos curtas da Mostra Internacional. O Sávio já avisou hoje na sessão que são todos impressionantes, então vamos em frente. Logo, mais imagens e mais impressões destes dias maravilhosos em Belo Horizonte :)

4 comentários:

Denis Akel disse...

Sensacional Diego! Com nossa recente ida ao Anima Mundi, dá pra imaginar como estão sendo as coisas por aí no MUMIA! Essa atmosfera de festivais é realmente muito legal, deveras estimulante e inspiradora =)

Só não consigo parar de lamentar não ter podido ir; não poder falar um pouco sobre o evento lá no meu blog!

Mas, enfim, muito bom saber que está tudo dando certo e que o festival corresponde muito bem (ou até mais?) ao que você esperava, não é?

Abração e até a volta!!

Carolinne Vieira disse...

Impressionante esse cara que se apropriou de trabalhos alheios para criar o dele...

Agora tudo pode, de video jockey a techno brega, de escritores de micro contos a virtuosos cronistas. Esse lance de apropriação é complicado, mas fiquei curiosa com esse trabalho.

Fabiola Fiorentino disse...

Querido Akel, obrigada por dividir esse momento com seus seguidores! Muito bacana quando pessoas criativas e de mente aberta se reúnem para troca de impressões.
Sobre o ocorrido com o Círculo, o iniciante pôde ter usurpado uma parte, mas a essência, o talento e a possibilidade de fazer a ideia crescer, mergulhar e ir para os lados em outras aventuras é só sua e jamais imitável! Estou curiosíssima sobre as próximas postagens - a mostra internacional e sua avaliação dos trabalhos.

Anônimo disse...

Cara, eu fui um dos realizadores mineiros lá presente, na hora fiquei surpreso com o fato, algo curioso, não sei descrever aquela sensação. Que coisa curiosa né?! O mundo é pequeno, o cara deve ter usado sem pensar em consequ^ncias e olha a ironia do destino, você de Fortaleza vai para BH acompanhar uma mostra, justa a que tinha trabalho dele (seu também rsrsrs). Direitos autorais não é brincadeira, ele deu sorte que você é tranquilão!

Thiago Herbert